Notícias

#SilencieSeuPreconceito: DPU lança campanha para combater preconceito contra mulheres

Brasília – “Foi promovida por ser bonita”. “Até bem inteligente para uma mulher”. “Apanha porque gosta”. Mesmo com inúmeros avanços relacionados aos direitos das mulheres, essas ainda são frases comuns no cotidiano feminino. Para promover o direito das mulheres e combater preconceitos, a Defensoria Pública da União (DPU) lança a campanha #SilencieSeuPreconceito nesta terça-feira (8), quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher.

As frases estão em peças que serão divulgadas nas redes sociais e no portal da instituição, que atua na garantia dos direitos humanos e na defesa dos direitos individuais e coletivos de pessoas em situação de vulnerabilidade. Além de questionar as frases discriminatórias utilizadas no cotidiano, a campanha homenageia mulheres que fizeram história, como Marie Curie, a primeira mulher a ganhar o Nobel de Física, e Amelia Earhart, a primeira aviadora da história.

Para a secretária de Ações Estratégicas da DPU, a defensora Pública da União Roberta Alvim, a campanha vem como uma forma de reflexão sobre os preconceitos enfrentados diariamente pelas mulheres. “O objetivo é promover uma reflexão sobre o tema, e analisar se cada um de nós, não estamos contribuindo para essa desigualdade. Não deixem de acompanhar e compartilhar”, convida.

Para o defensor Público-Geral Federal, Daniel Macedo, esta é uma data para celebrar a força e a coragem das mulheres, que lutam diariamente por respeito, reconhecimento e valorização. “A DPU é uma instituição privilegiada e eu tenho orgulho de dizer que metade da nossa força de trabalho é formada por mulheres. Apesar de parecer algo normal, esse número é uma verdadeira conquista das mulheres, que lutaram pelo direito ao trabalho e à educação”, explica.

Atualmente, são mais de 900 mulheres que se dedicam diariamente a garantir direitos às cidadãs e cidadãos que tanto precisam do trabalho da Defensoria Pública da União. O cenário da administração do órgão reflete a realidade no país. No Brasil, as mulheres são responsáveis pelo sustento da família em mais de 50% dos lares. “A vocês, mulheres, meu agradecimento, por fazerem dessa instituição o que ela é. Sei que ainda há muito a ser conquistado por cada uma de vocês. Contem comigo nessa jornada”, destaca Macedo.

Ações no mês da mulher

Em comemoração ao mês da mulher, marcado pelo Dia Internacional da Mulher, a DPU vai promover uma série de ações. A instituição realiza nesta terça o webinário “Os desafios das mulheres na sociedade brasileira do século XXI – Olhares Diverso”’. O evento, organizado pela Escola Nacional da Defensoria Pública da União (ENADPU), é aberto ao público e será transmitido pelo canal do YouTube da escola a partir das 10h. Assista aqui.

Além disso, a DPU publicou a primeira edição da exposição “Memória Delas”. A mostra que tem o formato virtual, está publicada no site e nas redes da instituição. A exposição mostra a importância do caminho trilhados pelas mulheres que estiveram engajadas nas ações de fortalecimento da DPU, que tem a atuação voltada para a promoção e defesa de direitos de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

GT Mulheres

Desde 2018, o Grupo de Trabalho Mulheres, passou a ter atuação mais ampla para promoção e defesa dos direitos das mulheres. Ao grupo compete atuar no reconhecimento e defesa dos direitos econômicos, sociais, culturais e ambientais das mulheres. Além disso, são realizadas ações de monitoramento de discriminação e violação de direitos das mulheres e a disseminação de conhecimento do direito universal à educação, à saúde e à proteção previdenciária às mulheres, entre outras atividades.

Integrante do GT Mulheres, a defensora Pública da União Liana Dani defende a urgência na adoção de ações que garantam às mulheres a ocupação desses espaços e o combate de toda forma de preconceito. “A violência contra a mulher ainda é negligenciada e aceita por comentários sexistas -exigências que se manifestam na forma de controle e submissão de nossos corpos- e deslegitimação de nossa voz com a apropriação de nossas ideias”, afirma.

Para a defensora Pública da União Daniela Brauner, que também trabalha no GT Mulher, viabilizar espaços de reflexão sobre os desafios enfrentados por elas, engrandece o debate e ajuda a combater o machismo. “Precisamos atuar no reconhecimento e defesa dos direitos econômicos, sociais, culturais e ambientais das mulheres. Fortalecer a participação delas nos espaços é uma das principais formas de lutar por uma sociedade mais justa e igualitária”, disse.

Atuação da DPU

A DPU atua, individualmente, na defesa das mulheres carentes em processos perante a Justiça Federal, em todos os graus de jurisdição. Coletivamente, a DPU desenvolve uma série de atividades nas esferas judicial e extrajudicial, como ajuíza ações civis públicas para defesa de interesses coletivos das mulheres, promove campanhas de esclarecimentos de direitos, elabora pareceres, notas, recomendações para a Administração Pública direta e indireta que visem a resguardar direitos das mulheres, dentre outras medidas.

Assessoria de Comunicação Social
Defensoria Pública da União