Núcleo de Tradução- NuTrad

As barreiras linguísticas enfrentadas por grande parte da população assistida, composta por brasileiros no exterior e migrantes internacionais no Brasil, desprovida de recursos financeiros para a remuneração de serviços de tradução, impediam o prosseguimento de ações judiciais e extrajudiciais, mediações e resolução de conflitos.  

O Núcleo de Tradução da Defensoria Pública da União (NuTrad) foi criado em 2019, no âmbito da Assessoria Internacional, com o objetivo primordial de ampliar a capacidade de assistência internacional, por meio de traduções, versões e interpretações. 

Na solenidade de inauguração do Núcleo de Tradução, foi firmado o Acordo de Cooperação entre a DPU e a UnB, para a promoção de atividades recíprocas de formação em tradução e interpretação na defesa de direitos humanos. 

O NuTrad  auxilia, na busca pela efetivação dos direitos linguísticos, o trabalho de defensoras e defensores em orientações nas quais o conhecimento de idiomas estrangeiros é exigido. Por meio de uma rede de apoio, o NuTrad já conseguiu intérpretes do Tâmil, idioma utilizado na Índia e no Sri Lanka, e do Russo, casos de mediação linguística nos quais os idiomas utilizados não possuem muitos tradutores no país.  

Do respeito às características culturais e linguísticas de populações vulnerabilizadas, são criadas políticas linguísticas atuais que redirecionam entendimentos: a língua deixa de ser considerada um problema e passa a ser vista como direito. 

Demandas internacionais e espaços nacionais cada vez mais multilíngues e inclusivos reforçam a importância da iniciativa da DPU e o pioneirismo na implantação do núcleo de tradução.  

Também o idioma português como língua estrangeira passa a ser uma demanda de países parceiros do Brasil em acordos de cooperação internacional, o que constitui mais uma responsabilidade para o NuTrad.  

Há, ainda, a preocupação com o acesso institucional a mercados linguísticos, o que exige instrumentos em vários canais constituídos de diferentes idiomas e modos expressivos.  

E, assim, do micro ao macro espaço, reforça-se a importância do cotidiano: são os aspectos corriqueiros das atividades profissionais, nas relações interpessoais, nos encontros realizados, que nos fazem participar mais efetivamente das conquistas sociais e humanitárias.  

A equipe do NuTrad, composta por estudantes universitários em formação na área específica de tradução, confirma essa importância. O engajamento se amplia e alcança as preocupações institucionais com a defesa dos direitos de brasileiros no exterior e de migrantes internacionais no Brasil, além de nacionais indígenas.  

O NuTrad segue com a capacitação interna da equipe, ao realizar minuciosa cartografia das demandas internacionais. Além do levantamento das principais dificuldades linguísticas, é realizada a identificação das fronteiras linguísticas usuais para a construção de um corpus linguístico da DPU, abarcando o vocabulário linguístico institucional plurilíngue em curso.  

Este trabalho contínuo progride na medida em que novas estruturas linguísticas, arranjos verbais, termos e expressões são acrescidas ao banco de memória em construção. Assim, a acessibilidade linguística como direito humano e a tradução como inclusão se efetivam no cotidiano das atividades laborais. 

Clique aqui para saber mais sobre nossas políticas linguísticas e institucionais.

Assessoria Internacional - AINT

Coordenação de Cooperação e Relações Internacionais - CCRI

Coordenação de Apoio à Atuação no Sistema Interamericano de Direitos Humanos – CSDH

Coordenação de Assistência Jurídica Internacional – CAJI