DPU adere ao Movimento Eles por Elas, da ONU Mulheres

Brasília – A Defensoria Pública da União (DPU) aderiu, nesta quinta-feira (11), ao Movimento Eles por Elas, criado pela ONU Mulheres, Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. O movimento é um esforço global para envolver homens e meninos na remoção das barreiras sociais e culturais que impedem as mulheres de atingir seu potencial, e ajudar homens e mulheres a modelarem juntos uma nova sociedade.

O anúncio da adesão foi feito durante o debate sobre os caminhos para a igualdade de gênero, promovido pela DPU em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), na semana que se homenageia o Dia Internacional da Mulher.

“Hoje, não apenas damos o pontapé inicial ao Movimento Eles por Elas da ONU Mulheres, mas vemos uma oportunidade de engajamento desta Defensoria Pública na promoção do protagonismo das mulheres na sociedade e em nossa instituição”, afirmou o defensor público-geral federal, Daniel Macedo.

Ele destacou o trabalho realizado pelo Grupo de Trabalho Mulheres da DPU, que atua no reconhecimento e defesa dos direitos econômicos, sociais, culturais e ambientais, bem como monitora ações de discriminação e violação de direitos das mulheres: “Nos últimos anos, o GT Mulheres realizou eventos de grande destaque, como I Seminário Nacional com a temática “Mulheres em Espaço de Poder” e o II Seminário Nacional, com a temática “Feminismos Plurais: somos muitas, de muitas cores, com muitas histórias´”.

A representante à frente da ONU Mulheres Brasil Anastasia Divinskaya, convidada da DPU para o debate, afirmou que no sistema de Justiça a presença feminina contribui para que os tribunais assegurem às mulheres o acesso à Justiça. “Alcançar a igualdade de gênero é uma responsabilidade coletiva. Nenhum país alcançou a igualdade de gênero, nem sequer está próximo dela 25 anos após a adesão à Plataforma de Ação de Pequim e seis anos após a aprovação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, o qual tem como 5º objetivo a igualdade de gênero”, destacou Anastasia Divinskaya.

Segundo o IBGE, na segunda edição do estudo “Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil”, publicada em 2021, 54,5% das mulheres com 15 anos ou mais integravam a força de trabalho no país em 2019. Entre os homens, esse percentual foi 73,7%.

A pesquisa também levantou a sub-representação da mulher na política. Apesar de um aumento no número de deputadas federais entre 2017 e 2020, o Brasil tem apenas 14,8% de mulheres em exercício na Câmara dos Deputados, sendo a menor proporção entre os países da América do Sul e a centésima quadragésima segunda posição em um ranking de 190 países.

Os problemas causados pela pandemia da Covid-19 que agravaram a desigualdade de gênero foram discutidos pela Escola Nacional da Defensoria Pública da União (ENADPU), dirigida pela defensora pública federal Olinda Moreira, que promoveu um debate no jornal Fórum de 2020, cujo título foi “Desafios à igualdade de gênero em tempos de Pandemia”.

Simbolicamente, em nome da Defensoria Pública da União, o defensor público-geral federal, Daniel Macedo, assinou o compromisso de adesão ao Movimento Eles por Elas na plataforma do movimento.

Junte-se ao movimento global.

MRA
Assessoria de Comunicação Social
Defensoria Pública da União